Sprint de inovação para um e-commerce usando o design thinking

0
201
views
Sprint de inovação

Conheça o desenvolvimento de uma sprint de inovação usando design thinking especialmente planejada para um e-commerce (agregador de moda), cujo objetivo foi melhorar a experiência de uso.

Sobre a sprint de inovação

Sprint de inovação usando design thinking é cada vez mais popular no mundo para envolver o cliente no processo de criação e construir serviços relevantes, fáceis de usar e que proporcionem prazer na interação.

Existem inúmeras formas de abordagem usando design thinking, com processos que propõem em média de três etapas até oito etapas.

Um dos mais famosos é o processo proposto pela Ideo que conta com três passos: Imersão, Ideação e Prototipação. O Duplo Diamante do Design Council também é muito usado e, mais recentemente, o Google Design Sprint vem ganhando destaque também.

Sprint de inovação

A melhor abordagem vai ser sempre uma escolha consciente do designer de serviço baseado principalmente em aspectos como:

  • O desafio
  • Os entregáveis esperados
  • A equipe
  • O tempo disponível
  • Os recursos existentes

Uma das abordagens que tem dado um bom resultado no meu trabalho é a proposta do MVS (Minimum Value Service – Serviço com Valor Mínimo).

O título é uma provocação ao famoso MVP (Minimum Viable Product – Produto Mínimo Viável), ao trocar duas bases dele: o Viável por Valor e o Produto por Serviço.

A abordagem tenta assim deixar mais em foco os desejos e anseios dos clientes e menos uma discussão tecnológica, algo muito importante dentro de qualquer abordagem baseada nos conceitos do design thinking.

No projeto desenvolvido em uma parceria entre a Service Design Sprints e o iLoveEcommerce que eu pude participar como facilitador, usamos essa abordagem para o redesign do serviço focando no site como ponto de contato principal (apesar disso, durante o processo, surgiram propostas para o aplicativo mobile também).

Somente para critérios de apresentação, dividi as atividades em três passos: Descobrir, Definir e Desenvolver.

Sprint de inovação

Contudo essa mesma abordagem poderia ser dividida em diversos passos com base nos estudos em design thinking.

Dividindo sumariamente as metodologias que usamos, ficamos com o seguinte cronograma:

Sprint de inovação – Etapa 1: Descobrir

Objetivo: Rastear o que será feito, levantar insights a partir de análises mercadológicas e apontar modelos mentais presentes e futuros do comportamento do cliente por meio da empatia.

Metodologias:

  • Análise de mercado e linha do tempo
  • Entrevistas rápidas com clientes
  • Desenho de perfis extremos
  • Entrevistas em profundidade
  • Service Safari (Safari de serviços)
  • Jornada atual do serviço

Sprint de inovação – Etapa 2: Definir

Objetivo: Levantar ideias e hipóteses diretamente com o clientes diminuindo assim possíveis erros antes do lançamento do novo serviço e ampliar o aprendizado e empatia com o cliente.

Metodologias:

  • Swap (Sessão de cocriação com o cliente)
  • Definição dos princípios do serviço
  • Desenho da nova jornada

Sprint de inovação – Etapa 3: Desenvolver

Objetivo: Testar os pontos críticos ou mais complexos do novo serviço diretamente com o cliente e refinar o que vai ser entregue no novo serviço.

Metodologias:

  • Prototipação digital com clientes
  • Teste com usuários
  • Refinamento do protótipo final
  • Definição de backlog conciliando valor para o cliente, valor para a empresa e facilidade de desenvolvimento

A partir desse processo transformamos as principais interfaces do serviço oferecido pela empresa e ainda mostramos como a equipe estratégica pode incluir de forma rápida, simples e barata o cliente no processo de design e redesign de seus serviços.

Material complementar

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here